Os 7 Princípios da Construção Enxuta (Lean Construction)

OS 7 PRINCÍPIOS DO LEAN CONSTRUCTION

Nas últimas décadas, devido a uma conjuntura do mercado de trabalho, houve uma industrialização acentuada no mercado da construcação civil. A escassez de mão de obra qualificada e a necessidade de racionalização do usodos processos e dos materiaisforam alguns dos fatores decisivos para essa mudança.

Um das formas de pensamento desse âmbito é o leanconstruction, também conhecido por construção enxuta, método que condena todos os tipos de desperdícios, além de almejar o acréscimo substancialdo valor agregado do produto sempre visando os desejos dos seus clientes.

A Construção Enxuta apresenta um conjunto de princípios para a gestão de processos, alguns dos quais estão apresentados a seguir:

  1. REDUZIR A PARCELA DE ATIVIDADES QUE NÃO AGREGAM VALOR

Princípio clássico desse método, no qual a eficiência dos processos poderá ser melhorada e as suas perdas reduzidas por meio da eliminação de etapas que não agregam valor ao produto, como atividades de transportes de materiais e outros.

Exemplos:

Um simples suporte de mangote utilizado no bombeamento do concreto permite que o auxiliar realize uma atividade que agregue valor ao produto invés de apenas segurar o equipamento (Figura 1).

Figura 1 – Utilização de suporte para o mangote.

Outro exemplo é composto por um vibrador portátil que demanda apenas um servente para sua utilização, invés de dois funcionários como o método convencional (Figura 2).

Figura 2 – Vibrador de imersão.

Outra dica é o aprimoramento do canteiro, a fim de que as distâncias entre os locais de descarga de materiais e os seus respectivos locais de aplicação sejam minimizadas.

  1. AUMENTAR O VALOR DO PRODUTO ATRAVÉS DA CONSIDERAÇÃO DAS NECESSIDADESDOS CLIENTES

Esse conceito baseia-se na identificação clara das necessidades dos clientes, ou seja, o que eles desejam e precisam. É importante salientar esse tipo de informação nas reuniões com todos os projetistas envolvidos.

Por exemplo, a equipe de estrutura deverá respeitar todas as tolerâncias dimensionais necessárias para que não haja influência negativa nos serviços posteriores, como na execução de revestimentos internos.

Além disso, deve-se ter disponível de maneira sistemática todos os dados relativos aos requisitos e preferências dos clientes em potencial, obtidos por meio de pesquisas e avaliações pós-ocupações dos edifícios.

  1. REDUZIR A VARIABILIDADE

A padronização dos procedimentos é o conceito chave para esse item, já que proporciona a redução da variabilidade tanto no fluxo do processo quanto na transformação do bem primário em produto final.

Existem diversos tipos de variabilidade, como a relacionada ao sistema de qualidade, a duração das atividades, a aquisição de materiais ou ao consumo de recursos para produção de determinado material.

A primeira corresponde a não aceitação de determinados serviços que estejam fora dos padrões desejados, resultando na repetição ou até mesmo na rejeição deles.

O segundo refere-se ao remanejamento das equipes para outra frente de trabalho por falta de material ou em função de atrasos de serviços de outros funcionários, como uma equipe que é deslocada para a execução de chapisco, pois os trabalhadores responsáveis pela estrutura de concreto armado ainda não finalizaram as tarefas combinadas inicialmente.

Por fim, há a aquisição de materiais fora dos padrões necessários, como blocos cerâmicos de grandes dimensões, e a diferença entre o consumo de materiais nos ciclos de produção.

A redução da variabilidade é de suma importância, já que transforma o empreendimento em um produto uniforme, o qual gera um maior grau de satisfação para o cliente e evita desperdícios com as equipes de trabalho.

  1. REDUZIR O TEMPO DE CICLO

A soma de todos os tempos necessários para a realização de determinada tarefa é conhecido por templo de ciclo, ou seja, todo o dispendido de tempo no transporte, na espera, no processamento e na inspeção compõem essa etapa.

Os benefícios que incentivam a aplicabilidade dessa ideia são:

  • A entrega mais rápida para o cliente, pois as equipes são incentivadas a entregarem um conjunto de lotes de produção, tais como a realização por parte dos pedreiros das alvenarias de determinado pavimento;
  • A gestão torna-se simplificadas, já que haverá menos produtos inacabados;
  • O efeito de aprendizagem tende a aumentar. Como os funcionários focarão em serviços específicos, consequentemente existirá uma menor incidência de sobreposição de diferentes atividades, o que diminuirá o índice de erros;
  • Estimativa de obras mais precisas. A empresa trabalhará com dados mais precisos devido ao número de lotes de menores dimensões, tornando uma produção mais estável;
  • O sistema de produção torna-se menos vulnerável às mudanças, pois se pode obter com lotes menos complexos um grau de flexibilidade mais confiável.
  1. SIMPLIFICAR ATRAVÉS DA REDUÇÃO DO NÚMERO DE PASSOS OU PARTES

Princípio que rege os sistemas construtivos racionalizados, foca na redução de componentes de um determinado serviço. Isso ocorre em tarefas auxiliares de preparação e conclusão, como limpeza, montagem de andaimes, inspeções corriqueiras e outros.

A fim de simplificar os processos, há algumas dicas:

  • Utilização de elementos pré-fabricados, como sistemas de paredes de concreto e vergas (Figura 3);
  • Equipes polivalentes, diminuindo o número de funcionários especializados;
  • Planejamento eficaz da produção, sempre antevendo possíveis problemas (falta de ferramentas, informações equivocadas e outros), o qual tende a diminuir deslocamentos e atrasos que não agregam valor.

Figura 3 – Exemplo de método convencional e do método otimizado.

  1. AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DE SAÍDA                    

Esse aumento de flexibilidade na criação do produto está diretamente correlacionado a geração de valor. Graças a esse método, é possível alterar as características dos produtos a serem entregues aos clientes, sem aumentar de forma significativa os custos de produção. Pode-se citar:

  • Redução do tempo de ciclo, por meio da redução de lotes;
  • Personalização do produto no mais tardar;
  • Métodos construtivos que proporcionam flexibilidade, como as lajes planas que proporcionam as mudanças no layout de um apartamento sem a preocupação com as vigas e as divisórias internas com gesso cartonado que possuem menores espessuras que os blocos cerâmicos tradicionais e podem ser demolidos e modificados sem custos consideráveis.

                                             

Figura 4 – Gesso acartonado nos pavimentos 

  1. AUMENTAR A TRANSPARÊNCIA DOS PROCESSOS

O aumento da transparência nos processos tende a identificar todos os possíveis erros de execução com a disponibilização de todas as informações necessárias. Exemplos de aplicação:

  • Remoção de obstáculos visuais, como tapumes e divisórias;
  • Programa 5S cujo intuito é focar na melhoria da organização, da limpeza, da segurança e outros atributos(Figura 5);
  • Indicadores de desempenho, como níveis de produtividades, índices de produtos não conforme ao especificado e outros (Figura 6);
  • Dispositivos visuais que disponibilizam informações relevantes para a produção (Figura 7);

Figura 5 – Demarcações dos caminhos a serem percorridos.

Figura 6 – Indicadores de desempenho dos terceirizados.

Figura 7 – Transparência na especificação dos materiais que serão utilizados.